Arquivo da categoria: Arte, Educação, Cultura

A criação dos bichos

O ilustrador Ricardo Solis imaginou a criação dos animais e de seus padrões e cores de pele de uma forma lúdica e fantasiosa – e transformou tudo em ilustração.

Ricardo Solis nasceu em Guadalajara, México. Desde jovem Ricardo se sentia atraído pela a arte e pela natureza. Agora, como um artista profissional, ele tenta expressar em sua obra a beleza e a perfeição de ambos, juntamente com sua crença na existência de um criador.

Ricardo vive atualmente em Guadalajara com sua esposa e quatro filhos, que eles ensinam em casa.

Ricardo-Solis-animal-paintings-12Ricardo-Solis-animal-paintings-3Ricardo-Solis-animal-paintings-14Ricardo-Solis-animal-paintings-1Ricardo-Solis-animal-paintings-2Ricardo-Solis-animal-paintings-4Ricardo-Solis-animal-paintings-7Ricardo-Solis-animal-paintings-8Ricardo-Solis-animal-paintings-9Ricardo-Solis-animal-paintings-10Ricardo-Solis-animal-paintings-13Ricardo-Solis-animal-paintings-11Ricardo-Solis-animal-paintings-6Ricardo-Solis-animal-paintings-5

 

Fonte:  IdeaFixa, via Pavablog.

À procura do pássaro dourado

 

67Paradiesvogel400

“ (…) não está longe de cada um de nós” (Actos 17:27)

 

Venho lá do fim do tempo

trago os olhos cheios de mar

viajo há muitas luas por entre rostos e olhares

de quem procura o lendário pássaro dourado

por toda a floresta desencantada. Mas nem sempre

reconhecem o seu estranho cantar

e continuam sempre e sempre

esforçadamente nessa busca

infinita

até ao suspiro derradeiro.

 

© José Brissos-Lino

9/8/14

 

 

Elogio da amada no Cântico dos Cânticos (inédito de J.T.Parreira)

mediano234_11_05_39emirados-arabes01[2]

 

“Quem é esta que sobe do deserto, como colunas de fumo,

perfumada de mirra” (Cântico dos Cânticos).

 

 

Ela vem como ilusão de óptica no deserto

as faces rodeadas de uma água solar, a luz

do seu rosto se derrama, a cor dos seus lábios

sufoca os meus olhos

 

Ela vem como algodão de nuvens

as minhas mãos são rudes indignas da seda

dos lírios que florescem nos seus dedos

 

A minha amada vem ágil como o vento

a dançar nos véus do seu cabelo

 

Vem esplêndida, a minha amada vem como um alvo

de beleza para todos os olhares.

 

 

01-08-2014

©  J.T.Parreira