Uma “normalidade ” muito anormal

images

 

A ministra da Justiça reclamar a normalidade do Citius, que está a funcionar apenas com os novos processos judiciais, é a mesma coisa que os hospitais virarem as costas aos doentes internados, e os médicos passarem a tratar apenas os que chegam agora, vindo o ministro da Saúde dizer na televisão que está tudo normal. Vê-se…

No tempo dos postais ilustrados

Noruega_13800

 

Estou num belo hotel na Noruega. Esperando ser atendida pela recepcionista, vou reparando nas variadas coisas em cima do balcão. Uma delas chama a minha atenção mais do qualquer outra: Um pequeno escaparate com postais ilustrados da região. Vê-se que estão ali há muito tempo. Sente-se que ninguém os olha com olhos de ver.
Vou lá atrás no tempo, quando os postais ilustrados eram obrigatórios para quem viajava. Tinham pouco espaço para a escrita, mas chegava dizer “estou, bem”. “Amo-te”. “Já tenho saudades” “Isto é muito bonito, mas não há como a nossa terra…”
Às vezes os tais postais chegavam já depois de nós. Era dificil encontrar os correios da localidade, nem sempre havia transporte rápido para a distribuição.  Mesmo assim, conheço gente que coleccionou centenas deles, como prova quase viva dos lugares onde foi feliz…
Hoje ninguém os compra. Para quê? Os Iphones, Ipads, máquinas fotográficas sofisticadas e rápidas, tiram as fotos que nos custavam algum dinheiro e esforço. E em vez da maçada de procurar a tal estação de correios, mandam-se as fotos por mail, por mensagem, pelas redes sociais. Diferença: faltam as tais palavras doces no fim. Mas acho que isso também está a cair em desuso.
Olhei triste para os postais do hotel. Longe vão os dias em que eram escolhidos e acarinhados.
O mundo mudou. Nós mudámos. Alguns para melhor, outros não tanto.
Pensei nessas mudanças. Amei a transformação da minha vida, do que era, para o que sou hoje e o que ainda poderei ser amanhã em Deus.
As outras coisas são apenas adereços. O verdadeiro está dentro de mim. O real, é o que Deus faz hoje. Não gostaria de voltar a ser quem era há 20 anos atrás. Nada!
Por baixo deste postal vou escrever: “De glória em glória”!

 

Fonte: Sarah Catarino, Think Higher.

Palavras perdidas (1385)

“A ciência e a religião são domínios distintos do homem. Embora o sujeito seja o mesmo, as dimensões a que essas duas actividades se referem são diferentes. O diálogo entre elas nem sempre foi tão pacífico como hoje. Actualmente, o diálogo está mais fluido. E, na minha opinião, é necessário ter esse diálogo, pois o sujeito é o mesmo e há características que são comuns, sendo a mais imediata o ambas tentarem, cada uma à sua maneira, penetrar o mistério. A ciência procura o mistério do mundo, a religião procura o mistério do outro mundo. Sejam os cientistas crentes, ateus ou agnósticos, reconhecem que há dimensões para lá da ciência: por exemplo, a dimensão da arte, da beleza, do amor, do sentido último. Podem encontrar respostas como seres humanos, mas não com o seu método científico.”

(Carlos Fiolhais, citado por Anselmo Borges, DN)

“Alegrai-vos porque já achei a minha ovelha perdida” (Lc 15:6); “Ovelhas perdidas foram o meu povo, esqueceram-se do lugar do seu repouso” (Jr 50:6).

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 376 outros seguidores

%d bloggers like this: