Apologia do medo

Resultado de imagem para medo

 

Devido à recente onda de atentados está instalado um clima de medo nas sociedades ocidentais, o que não deixa de ser uma vitória do Daesh. É para isso que têm vindo a trabalhar desde o início do “califado”.

Os homens de guerra que estão na origem do denominado “Estado Islâmico”, que não é estado nem islâmico – generais sunitas de Saddam Hussein – conseguiram colocar o medo na ordem do dia. Fizeram-no através da estética do horror, do terrorismo mais abjecto, de uma mentalidade medieval associada a operações de propaganda em linha com o século vinte e um e da instalação de um clima de medo que visa destruir os fundamentos da democracia, do estado de direito e do estilo de vida ocidental.

Como responder a esta ameaça?

A extrema-direita chama-lhe um figo, pois dá azo a pressionar os governos com medidas securitárias que não resolvem o problema de fundo mas apenas destroem o sistema democrático e limitam as liberdades civis. Ou então a política do “olho por olho, dente por dente”, uma vez que em breve estaremos todos cegos e desdentados…

Alguns círculos – tanto políticos como religiosos – defendem que isto vai acabar numa guerra religiosa entre cristianismo e islamismo, sendo que alguns já se estão a preparar e armar para tal, um pouco como aqueles grupos americanos que acham que vai estalar uma guerra dos cidadãos contra… o poder federal.

Mas deixar tudo como está também não resolve o problema. A inércia, a postura de fraqueza, hesitação e desnorte que tem sido timbre da União Europeia em matéria internacional, só podem agravar o actual estado de coisas.

Entre os extremos há um caminho difícil mas possível. É preciso manter a cabeça fria. Os países democráticos têm que ter serviços de informações a funcionar eficazmente – articulados a nível europeu – e reverter as suas políticas de imigração. É necessário impedir que as madrassas nos nossos países se transformem em escolas de ódio, as mesquitas em espaços de recrutamento de jihadistas, os líderes religiosos islâmicos em terroristas disfarçados nos púlpitos, e os bairros periféricos em gettos.

Mais. É imprescindível que os líderes islâmicos moderados levantem a voz, em todo o mundo, e condenem com veemência estes massacres e assassinatos.

É preciso que a comunicação social se autoregule e deixe de permitir a glorificação dos jihadistas e a estética do horror. Mas também que haja condicionamentos à propaganda terrorista na internet.

Tudo menos ceder ao medo, excepto um único tipo de medo. O medo de ter medo.

 

Fonte: José Brissos-Lino, O Setubalense, 26/8/16.

Um grande jogo, com um resultado justo


PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP / GETTY

 

O Vitória jogou muito bem na Luz, de cara levantada e trouxe um ponto. Couceiro é um senhor. Se todos os treinadores optassem por uma postura pedagógica como ele o futebol seria bem melhor. O contraste com o JJ das conferências de imprensa é brutal…

Mas Rui Vitória também não esteve bem em falar do árbitro, apesar de, na segunda parte, este ter tomado algumas decisões incompreensíveis, e os sadinos terem feito algum anti-jogo. Mas a responsabilidade por não ter ganho o jogo é inteiramente dos encarnados, visto que apresentaram uma equipa desequilibrada, lenta e a falhar nos mecanismos de jogo (triangulações e passes), deixando os vitorianos ganharem quase sempre as segundas bolas.

Parece que esta época temos equipa e treinador em Setúbal.

 

“Alegrai-vos porque já achei a minha ovelha perdida” (Lc 15:6); “Ovelhas perdidas foram o meu povo, esqueceram-se do lugar do seu repouso” (Jr 50:6).

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 541 outros seguidores

%d bloggers like this: