A cor da angústia

“Angústia”, de David Alfaro Siqueiros.

Há quem diga que é negra
indefinível
a cor da angústia
tenebrosa
viscosa
estranhamente próxima

ou será a cor da vida fechada
num caixote
do cavalo de corrida
a cair no precipício
da flor sem Sol
nem orvalho
dos olhos que despejam
gotas de tristeza
da garganta que sufoca o grito
do riso amordaçado
da gargalhada arqueológica

diria que é antes uma sombra aguda
insinuante
escura e leve
que se aproxima de mansinho
por detrás da cadeira
onde sentamos o quotidiano.


Palmela, Maio de 2008

© Brissos Lino

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s