O fogo e a culpa

 

“A indústria do fogo dá dinheiro a muita gente” (secretário de Estado Jorge Gomes)

 

De quem é a culpa dos incêndios de Verão? Em geral atribuem-se ao governo da nação todas as responsabilidades por desgraças como o recente inferno do Funchal. Se houvessem mais bombeiros, se lhes pagassem melhor, se tivessem melhores condições logísticas, equipamento, viaturas de combate ao fogo e meios aéreos, se, se, se…

A barragem de acusações é pelo menos tão recorrente como a velha habilidade em sacudir a água do capote. Sim, porque as populações continuam a não limpar o mato à volta das suas casas, a não criar aceiros, a fazer queimadas não controladas, a fazer churrascos no meio dos pinhais, sem as devidas precauções, e a atirar cigarros pela janela das viaturas em movimento, em muitas estradas do país.

Por outro lado sabemos que cerca dum quarto de todos os incêndios inicia-se durante a noite, mas aí não há possibilidade de ignição natural, pelo que todos esses sinistros terão que ser resultado de acção humana, por negligência ou atitude criminosa. Mas não é com populismos como a pena de morte para os incendiários que se resolve esta questão.

As autarquias também não estão isentas de más práticas. Ainda recentemente em Castelo de Vide, no festival “Andanças”, se viu uma actuação lamentável. Desde logo porque o parque de estacionamento não parecia estar devidamente limpo de material combustível. Duvida-se ainda que o seguro da organização para o efeito fosse adequado à situação, e a intervenção dos bombeiros pareceu inadequada, tanto por se terem apresentado no sinistro mal equipados como pelo modo de actuação, que pareceu permissivo.

Domingos Caldeira defendeu, e bem, que a questão dos incêndios de Verão têm que ser vista duma forma integrada por ser transdisciplinar. Tem que ver com os serviços de protecção civil, com a gestão do território, com aspectos culturais (festivais, feiras e festas populares, grandes ajuntamentos de pessoas), com prevenção e vigilância das matas, com limpeza e racionalização da floresta, mas também com política energética (o que fazer com a biomassa recolhida?).

Não há soluções fáceis. Tem que haver civismo e políticas integradas, a nível, local, regional e nacional, mas a Europa falhou mais uma vez, ao contrário de Timor, Espanha, Marrocos ou a Rússia.

Mas vale a pensa pensar no que disse o secretário de Estado Jorge Gomes sobre o sistema judicial: “Custa-me entender que um criminoso que é apanhado em flagrante delito pela GNR ou PJ seja apresentado a tribunal e vá para casa com obrigação de apresentação periódica às autoridades”.

Fonte: José Brissos-Lino, O Setubalense, 12/08/16.

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s