A revolução necessária

Resultado de imagem para ensino

 

Toda a gente com dois dedos de testa já compreendeu que no mundo em que vivemos a educação de crianças e jovens é fundamental para o seu futuro sucesso profissional. Os estudos indicam-no claramente. Daí que as políticas de educação sejam centrais, qualquer que seja o modelo de desenvolvimento que se adopte ou a ideia de país que se tenha. Numa sociedade globalizada ainda mais, por maioria de razão.

O grande desafio está em dar o salto de uma escola formatada no século XIX para o tempo presente, tendo em conta as incríveis alterações de ordem social e científica verificadas nos últimos cem anos. Mas a sensação que se tem é que o sistema de ensino continua atrasado em relação à dinâmica da sociedade e tem muita dificuldade em mudar.

Sou docente universitário mas não especialista em educação, mas creio que se pode afirmar que esta matéria é importante de mais para ser deixada apenas a especialistas.

As crianças não estão todas destinadas a serem investigadores e docentes. Têm que sair da escolaridade obrigatória com determinadas competências para a vida. Por exemplo, não faz sentido que não tragam feito o exame do Código da Estrada e tenham que vir pagar a privados para o obter. Todos eles virão a ser condutores de algum tipo de veículo ou peões. Ou uma formação prática em economia pessoal e doméstica. Ou em primeiros socorros. Ou em cidadania (sistema de Justiça, ambiente, política, segurança). Ou em religiões do mundo (educação para a diversidade, a multiculturalidade e a paz). Isto teria muito mais valor pessoal e cívico do que aprofundar em demasia matéria nas áreas de matemática, literatura, física ou química, para aqueles que não se sentem vocacionados para tal.

O exagero dos livros didácticos é escandaloso, não apenas pelo alto preço que obrigam as famílias a desembolsar (parte dos quais nem são utilizados uma única vez), mas também pelo peso que põe em causa a saúde das crianças. Porque não enfrentar os lóbis das editoras e proporcionar a cada aluno, a partir do 2º. Ciclo, um tablet (que fica na escola) e onde acedem aos conteúdos?

E porque não passar a ter algumas aulas ao ar livre, se possível na Natureza? Resolvam-se os constrangimentos burocráticos. E porque não desenvolver um tronco comum, nos primeiros anos, e depois derivar, numa segunda fase, para áreas específicas como ciências, humanidades ou artes, de acordo com a vocação de cada aluno? E porque se valorizam tanto as ciências e quase nada as línguas e a música? E porque não substituir parte das aulas dadas em sistema unidirecional, onde o professor fala e os alunos ouvem (?) por “ilhas” de exploração de interesses em plena sala, com tarefas diferenciadas? Resolvam-se os problemas de falta de professores. E porque não substituir os por vezes pesados trabalhos para casa (TPC) por aulas estimulantes, que vão ao encontro dos interesses dos alunos e onde eles aprendem muito mais do que em forçados TPC ou aulas a debitar matéria?

Tanto para fazer e tanto para mudar.

 

Fonte: José Brissos-Lino, Jornal Sem Mais, 25/2/17.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s