Arquivo da categoria: À beira Sado

Desamparem a loja

inc

CARLOS SANTOS / GLOBAL IMAGENS

 

Ontem ligaram-me amigos meus de Lisboa a perguntar se estava bem, em razão do incêndio que deflagrou no campo atrás do Hospital da Luz, em Setúbal. Estavam a ver as reportagens na televisão, que falavam de pessoas a fugir na rua, em pânico e na evacuação de cerca de 500 habitantes.

Como é bom de ver as pessoas foram evacuadas por precaução. Os bombeiros e as autoridades fizeram o seu trabalho. Não se pode ser preso por ter cão e por não ter. Se alguém morresse havia de ser bonito… O fogo foi controlado e as vidas e bens das pessoas foram protegidos.

Como moro no centro da cidade e nem fumo, nem cheiro, nem cinzas cá chegaram (o sentido do vento levou tudo isso noutra direcção) nem me apercebi da dimensão do fogo. Daí ter recorrido à televisão para me informar. E o espectáculo mediático, meus amigos, é lamentável. Ouvi uma jovem repórter na Reboreda a perguntar umas 7 ou 8 vezes a um mesmo popular se não tinha entrado em pânico, se não tinha tido medo, se não tinha ficado desesperado. Desculpem, mas isto não é jornalismo, é agressão psicológica…

As audiências não podem valer tudo. Há que ter respeito pela profissão, pelos cidadãos e pelos consumidores da informação, ao serviço de quem se está. Já para não falar dos directos nos quais não há nada a acrescentar, e se opta por repetir as mesmas palavras, informações e ideias.

Neste momento parece que há dois sectores da sociedade portuguesa desejosos de se alimentar de catástrofes. Por um lado a comunicação social, para ganhar audiências e obter os correspondentes proveitos da publicidade. Por outro lado a oposição política, que vê a desgraça como possível janela de oportunidade em matéria de ganhos políticos e eleitorais. Não há pachorra…  Por favor vão ver filmes de acção, jogar paintball, enfim, desamparem a loja, ok?

Somos ricos e não sabemos

Resultado de imagem para Parque Natural da Arrábida

 

“Esta Península da Outra Banda podia ser um Paraíso.” (Raul Brandão)

 

Uma região que tem golfinhos no rio, javalis na serra, garças e flamingos no estuário e uma das mais belas baías do mundo, pode considerar-se bafejada pela Natureza. Somos ricos e não sabemos.

Apesar da actividade das indústrias pesadas que rodeiam a cidade ainda não vivemos numa região com altos índices de poluição sonora, ar irrespirável ou águas contaminadas. Temos praias e montanha à mão de semear. Podemos nadar e praticar desportos náuticos, caminhar na Natureza, observar roazes-corvineiros, pescar, correr, fazer mergulho, pesca submarina, voo livre e qualquer outra actividade física excepto desportos de Inverno, pelas razões óbvias.

Setúbal foi literalmente surpreendida por estes dias com a eleição de Galapinhos como a “Melhor Praia da Europa 2017” pela European Best Destinations. Agora é moda atribuir tudo a um milagre, seja o controlo do défice, um qualquer sucesso desportivo ou uma distinção turística. Nestas coisas não há milagres, e neste último caso, só se for o milagre da Natureza.

A serra da Arrábida é única porque apresenta espécies vegetais exclusivas em todo o mundo. Não admira que Sebastião da Gama se tenha perdido de amores por ela. É uma jóia ambiental e o estuário do Sado um ecossistema de riqueza notória.

Por isso, é bom que se faça tudo para virar a cidade de frente para o rio, e para afastar as barreiras físicas que ao longo de décadas se foram construindo entre a urbe e as águas, deixando que as populações usufruam das riquezas naturais. É bom que se procure manter as águas despoluídas e prenhes de vida e actividade humana mas com preocupações ecológicas. É bom que a cidade tire cada vez mais partido das suas condições para atrair o turismo, mas de forma ambientalmente sustentável.

Era bom, acima de tudo, que os setubalenses – de nascimento ou adopção – tivessem verdadeiro orgulho na sua terra, pois têm motivos para tal, ainda que mantendo um elevado grau de exigência permanente para com quem governa o seu destino colectivo, e desde logo para consigo próprios e os seus comportamentos.

Dispomos de todas as condições naturais para sermos um cartaz turístico de sucesso. Seria bom continuar a criar as outras condições necessárias, as que dependem da intervenção humana.

E sobretudo não estragar o tesouro natural que já temos. Segundo a máxima que Hipócrates, o pai da Medicina, preconizava: “Primum non nocere” (antes de mais, não prejudicar), ou seja, se não se cura, que ao menos não se estrague.

 

Fonte: José Brissos-Lino, O Setubalense, 12/5/17.  

 

 

 

Quem vence e quem sai derrotado

Imagem relacionada

É curioso como a imprensa não diz “Vitória de Setúbal vence Benfica”, mas quase sempre “Benfica perde em Setúbal”… Até parece que quem vence (quando não se trata de um dos “grandes”) e faz por isso não tem mérito, mas só ganha por demérito do adversário (quando este é dos “grandes”). Até parece que o meu clube não tem nome… Eu sei que o VFC tem um orçamento de tostões, mas merecia mais respeito por parte dos jornalistas, mesmo que não estivesse em 6º. lugar. Sim, porque se formos a analisar, ambos os títulos são muito diferentes e significam coisas diversas.

Um grande jogo, com um resultado justo


PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP / GETTY

 

O Vitória jogou muito bem na Luz, de cara levantada e trouxe um ponto. Couceiro é um senhor. Se todos os treinadores optassem por uma postura pedagógica como ele o futebol seria bem melhor. O contraste com o JJ das conferências de imprensa é brutal…

Mas Rui Vitória também não esteve bem em falar do árbitro, apesar de, na segunda parte, este ter tomado algumas decisões incompreensíveis, e os sadinos terem feito algum anti-jogo. Mas a responsabilidade por não ter ganho o jogo é inteiramente dos encarnados, visto que apresentaram uma equipa desequilibrada, lenta e a falhar nos mecanismos de jogo (triangulações e passes), deixando os vitorianos ganharem quase sempre as segundas bolas.

Parece que esta época temos equipa e treinador em Setúbal.