Arquivo da categoria: Arte, Educação, Cultura

Orquestra e coro celeste

Foto de João Tomaz Parreira.

“Esse coro que eu ouvia era ainda semelhante a músicos tocando as suas cítaras.” da Bíblia

 

Só pode ser assim que um anjo
Dos mais altos, dirige a orquestra do
Céu lendo nas linhas de ouro do concerto
A música dos salmos, a dança
De David em pontas, com os anjos mais jovens
No marfim das cítaras resplandece o sol
Do dia sempre eterno, só o silêncio
Pode assim entrar no ouvido e Deus
Pode deleitar-se com a beleza
Dos seus olhos permanentes
Colocados no séquito celeste.

04-01-2017
© João Tomaz Parreira

A verdade sobre o amor de mãe num poema triste: “A senhora de Brabante”

4515-gomes-leal-antologia-poetica

 

Não, de todo, o amor de Mãe não se revela apenas e torna capa de revista cor-de-rosa quando o filho é belo e bem-sucedido na vida.

O poeta do final do Romantismo português, Gomes Leal (1848-1921), em 68 versos de 17 quadras, prova-o no belíssimo quanto triste “A Senhora de Brabante”.

O amor de mãe é um oceano que encerra todas as procelas, todas as calmarias, todas as vicissitudes, as piores, onde apenas de uma profundidade inexplicável o rosto do filho ou da filha se vislumbra. No caso do poema referido, um filho.

Não existe simbolismo literário ou romantismo poético que cheguem, nestes versos, a sua corrente poética é a realidade profunda do coração de mãe. É um caso excepcional, mas está todo no poema “A Senhora de Brabante”.

Se tivéssemos que catalogar este poema e o retrato que nele é feito da Senhora e do seu filho “horroroso”, “raquítico, enfezado, excepcional”, não usaríamos o preto-e-branco, que é uma abstração, mas sim a fotografia a cores, que é a realidade – conceito de um dos célebres fotógrafos da Magnum.

Claro que há as excepções, e mesmo na ficção literária mundial. Em “A Leste do Paraíso”, a saga de John Steinbeck,  a mãe é um deus-ex-machina do romance que vem destruir toda a suposta harmonia familiar, com o abandono dos filhos ainda na infância destes.

A mãe, apesar do seu esplendor que se depreende de bela mulher, no poema de Gomes Leal vive na mais profunda tristeza, reflexo do seu filho que ama.

Gomes Leal, enquanto poeta de uma geração, chamada de os Modernos Românticos do Século XIX, terá transposto ao contrário para o poema em análise, o que o derrotou na vida: “ a morte da mãe estremecida” (como escreveu José Régio).

Mas a construção do seu poema “A Senhora de Brabante” prepara uma dimensão mais universal, sobretudo para quantos já perderam, como eu perdi, a Mãe. Eis alguns momentos dessa construção poética de puro adágio de dezassete quadras:

O que é certo é que a pálida Senhora,
a transcendente dama de Brabante,
tem um filho horroroso… e de quem cora
o pai, no escuro, passeando errante. 

É um filho horroroso e jamais visto! —
Raquítico, enfezado, excepcional,
todo disforme, excêntrico, malquisto,
— pêlos de fera, e uivos de animal! 

Ora o monstro morreu. — Pelas arcadas
do palácio retinem festas, hinos.
Riem nobres, vilões, pelas estradas.
O próprio pai se ri, ouvindo os sinos… 

— Só chora o monstro, em alto choro, a mãe!…

Só, sobre o esquife do disforme morto,
chora, sem trégua, a mísera mulher.
Chama os nomes mais ternos ao aborto…
— Mesmo assim feio, a triste mãe o quer!

© João Tomaz Parreira

Era dia de dizer que a magia se evaporara

Resultado de imagem para folha do calendário

 

Era dia de dizer que a magia se evaporara

que a manhã seguinte daquele Natal fechado

apontava já para diante e falava outra língua

mas ninguém se importa agora

com o quotidiano do velhinho reformado

de barbas brancas e traje ridículo?

 

Era um dia outro

uma folha a menos no cronometrar

dos tempos

 

É que podíamos ter pedido logo ao Pai Natal

um ano próspero

 

sempre pouparíamos as passas.

 

 

José Brissos-Lino

28/12/16