Musicar é preciso

Anúncios

Versículos nos lábios

Casos como o de um marido acusado de agredir a mulher com um exemplar da Bíblia Sagrada são ocorrências “engraçadas” no meio policial, marcado pela seriedade e sisudez.
Uma doméstica, brasileira, de 24 anos, procurou a Polícia para denunciar o marido, com quem está em processo de separação judicial. O casal discutiu por questões familiares e o marido atirou-lhe com a Bíblia atingindo-a na boca e ferindo-lhe o lábio superior.

Fonte: Bom Dia Bauru

Deus e a Ciência

“Do ponto de vista da ciência, a posição de ateu radical não faz sentido. Para se afirmar que Deus não existe, é necessário supor que detemos a totalidade do conhecimento, algo que é inatingível pelo facto de a ciência ser uma criação humana e limitada”.

(Marcelo Gleiser, professor de Física Teórica no Dartmouth College, sobre a explosão de títulos ateístas nas livrarias).

É por isso que costumo dizer que a Ciência não pode provar a existência de Deus, mas também não pode provar a Sua inexistência.

Fezada (1)

Luz, câmera e ação: O show está no ar! O bispo entra saltitando pelo púlpito, enquanto o coral entoa louvores. Pessoas com as mãos para o alto, com olhos fechados, alguns sorrindo e outros chorando. Enquanto isso, os “irmãos” andam com os saquinhos pelo templo, recolhendo as ofertas das pessoas, que depositam toda sua esperança no dinheiro que estão dando e na oração do bispo.
A pregação começa. O assunto é a besta, 666, demônio, satanás e tudo de ruim que existe na face da terra, ou melhor, no inferno. Pragas, maldições, macumba, feitiçarias… Qualquer tipo de problema é decorrente do mal. As escolhas e decisões do ser humano (iguais as que Adão e Eva tiveram no Jardim do Éden) são descartadas. Nem jejum e oração derrubam as tais “urucubacas”. Só o dinheiro.
A fé dos membros é testada por quanto eles podem pagar. E em busca de felicidade, prosperidade e vida eterna, pagam até no cartão de crédito. Em um mundo repleto de depressão, estresse e violência, o “mercado” paga bem pela tão sonhada paz.
O que seria dos miseráveis se Deus realmente cobrasse algo em troca de qualquer coisa? O bispo vive o Cristo morto, pregado na cruz, que não vê a injustiça que ele comete com quem necessita de ajuda. Ele poderia colocar o dinheiro no bolso na frente dos fiéis. Usando o nome do Pai, do Filho e até do Espírito Santo, conseguiria a compreensão de todos.
Ao invés da manutenção dessa instituição de suma importância, o bispo usa a igreja de maneira ilícita, para o seu enriquecimento. Esquece o pecado que há nele e acusa o pecado dos outros. O dedo que julga é o mesmo que conta o dinheiro que deveria ser destinado às obras (sociais, patrimoniais etc.) da igreja.
A figura do menino Jesus, nascido em uma manjedoura, não diz nada para o bispo. Humildade é algo que ele nem conhece. Igualdade social é o seu tema preferido, afinal, todos podem ser ricos. Essa é a vontade de Deus… A pregação está quase terminando, o saquinho passa novamente pelo templo.
O bispo nem mesmo leu a Bíblia… Afinal, ele é louco por dinheiro, e não “da cabeça”! Os fiéis, totalmente enganados e desperdiçando o livre acesso que têm a Deus, vão para suas casas esperando a bênção. O bispo pega o avião e decola rumo à sua infinita riqueza. E as bestas da sociedade (muito mais de 666) continuam imobilizadas. Talvez por falta de vontade ou por não conseguirem se livrar deste verdadeiro mal que há na sociedade: a corrupção.

Rafael Coelho (“Comunique-se”).

“Alegrai-vos porque já achei a minha ovelha perdida” (Lc 15:6); “Ovelhas perdidas foram o meu povo, esqueceram-se do lugar do seu repouso” (Jr 50:6).

%d bloggers like this: