De que falam as pessoas

 

Vivemos numa cultura pimba, no pior sentido do termo. A superficialidade da agenda pauta as conversas quotidianas, a dificuldade em falar da substância das coisas é crescente, e cede-se à facilidade de resvalar para a espuma dos dias. É assim na política e na programação televisiva, como nas conversas entre amigos. Pensar exige esforço, dá trabalho.

Por outro lado há muitos que preferem deixar aos outros a tarefa de pensar em seu lugar. Quando confrontados, insistem em dizer: mas eu falei com uma pessoa que me disse que era assim!… Quando não se desenvolve pensamento próprio estribamo-nos em terceiros para fazer valer uma opinião que não é nossa, resultado de reflexão, mas adoptada.

Dizia Platão que “pessoas normais falam sobre coisas, pessoas inteligentes falam sobre ideias, pessoas mesquinhas falam sobre pessoas.”

Ressalve-se aqui que a verdadeira comunicação, em termos emocionais, começa quando as pessoas começam a falar de si, dos seus sentimentos do momento. Enquanto falam de ideias, de coisas, de outras pessoas ou de si mesmas mas em termos de passado, não partilham sentimentos presentes no aqui e agora. Mas é apenas aí que se dá a verdadeira comunicação interpessoal, do ponto de vista psicológico. Enquanto verbalizam sobre o que lhes é estranho ou sobre o passado, não se estão a expor.

É corrente que a conversa de elevador, de circunstância, se limita a temáticas como o clima que se prevê para os próximos dias. Como se fosse anormal (pelo menos é embaraçoso) que duas pessoas estejam fisicamente juntas e não falem uma com a outra, mesmo que não se conheçam bem.

Persiste então a necessidade de dizer qualquer coisa, de comunicar verbalmente, seja que mensagem for, embora de forma enquadrada pelos normativos sociais estabelecidos, de modo a que as pessoas não se sintam descontextualizadas, bizarras ou inadaptadas.

O ser humano comunica verbal e não verbalmente. Manifesta a necessidade de interagir com outros seres humanos, mesmo que diferentes. A tendência para que o indivíduo se torne mais pessoa passa pela relação com outros seres humanos. Esta dimensão comunicativa é parte da essência do ser, mas é também uma estratégia de crescimento emocional, onde até os conflitos (inevitáveis, é certo) contribuem para a maturação da pessoa.

Aproxima-se a Páscoa. Também Deus comunicou com o Homem. Fez-se homem, nascido de mulher, habitou entre os homens e entregou-se em sacrifício por eles. Deus comunica connosco de muitas formas e em especial por Jesus Cristo.

 

Fonte: José Brissos-Lino, O Setubalense, 27/3/15.

 

 

 

 

 

A razão dos pobres

 

Reuters.

 

 

Sempre os terás contigo

– os pobres –

para te lembrares de que és pó

e que a ele voltarás

para dares um copo de água a Jesus

como a um necessitado

para exerceres misericórdia

para não perderes de vista

a imensa fragilidade que te habita

para entenderes o cerne da vida

para desviares os olhos de ti

para os outros

 

à tua volta sempre estarão os pobres

enquanto fores egoísta como

Judas, o Iscariotes.

 

© José Brissos-Lino

11/08

HH: vamos com calma

Link permanente da imagem incorporada

 

O Poeta HERBERTO HELDER é enorme pelo seu mistério.
Toda a sua grande poesia parece nascer espontâneamente, da natureza poética dos deuses.
Mas em pleno Centenário da Orfeu, é excessivo dizer que “a grande revolução do século XX português foi a Poesia de Herberto Helder”, mesmo tendo em conta o seu Surrealismo. No sentido da descoberta na juventude de um autor fundamental, sim; também aconteceu comigo ao lê-lo no final da década de 60 na Guerra Colonial. Todavia no sentido da História da Literatura portuguesa do XXº Século não, porque Herberto Helder é enorme entre outros enormes, cito três: António Ramos Rosa, Eugénio de Andrade, José Régio…
E, já agora, a grande revolução da poesia do século vinte português não continuará sempre a ser Álvaro de Campos?

© JTP

Herberto Helder, o poeta discreto que recusava os prémios (1930-2015)

 

O poema chama-se «A última bilha de gás durou dois meses e três dias». É o últimos dos cinco poemas de Herberto Helder lidos pelo próprio poeta. Foi a primeira vez que um livro do poeta incluiu um CD com poemas ditos pelo próprio. “A morte sem mestre” chegou às livrarias em Junho passado, com a chancela da Porto Editora.

http://www.tsf.pt/paginainicial/AudioeVideo.aspx?content_id=3956393

O Amor em Visita

Dai-me uma jovem mulher com sua harpa de sombra
e seu arbusto de sangue. Com ela
encantarei a noite.
Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher.
Seus ombros beijarei, a pedra pequena
do sorriso de um momento.
Mulher quase incriada, mas com a gravidade
de dois seios, com o peso lúbrico e triste
da boca. Seus ombros beijarei.Cantar? Longamente cantar.
Uma mulher com quem beber e morrer.
Quando fora se abrir o instinto da noite e uma ave
o atravessar trespassada por um grito marítimo
e o pão for invadido pelas ondas –
seu corpo arderá mansamente sob os meus olhos palpitantes.
Ele – imagem vertiginosa e alta de um certo pensamento
de alegria e de impudor.
Seu corpo arderá para mim
sobre um lençol mordido por flores com água.Em cada mulher existe uma morte silenciosa.
E enquanto o dorso imagina, sob os dedos,
os bordões da melodia,
a morte sobe pelos dedos, navega o sangue,
desfaz-se em embriaguez dentro do coração faminto.
– Oh cabra no vento e na urze, mulher nua sob
as mãos, mulher de ventre escarlate onde o sal põe o espírito,
mulher de pés no branco, transportadora
da morte e da alegria.Dai-me uma mulher tão nova como a resina
e o cheiro da terra.
Com uma flecha em meu flanco, cantarei.
E enquanto manar de minha carne uma videira de sangue,
cantarei seu sorriso ardendo,
suas mamas de pura substância,
a curva quente dos cabelos.
Beberei sua boca, para depois cantar a morte
e a alegria da morte.Dai-me um torso dobrado pela música, um ligeiro
pescoço de planta,
onde uma chama comece a florir o espírito.
À tona da sua face se moverão as águas,
dentro da sua face estará a pedra da noite.
– Então cantarei a exaltante alegria da morte.Nem sempre me incendeiam o acordar das ervas e a estrela
despenhada de sua órbita viva.
– Porém, tu sempre me incendeias.
Esqueço o arbusto impregnado de silêncio diurno, a noite
imagem pungente
com seu deus esmagado e ascendido.
– Porém, não te esquecem meus corações de sal e de brandura.
Entontece meu hálito com a sombra,
tua boca penetra a minha voz como a espada
se perde no arco.
E quando gela a mãe em sua distância amarga, a lua
estiola, a paisagem regressa ao ventre, o tempo
se desfibra – invento para ti a música, a loucura
e o mar.

Toco o peso da tua vida: a carne que fulge, o sorriso,
a inspiração.
E eu sei que cercaste os pensamentos com mesa e harpa.
Vou para ti com a beleza oculta,
o corpo iluminado pelas luzes longas.
Digo: eu sou a beleza, seu rosto e seu durar. Teus olhos
transfiguram-se, tuas mãos descobrem
a sombra da minha face. Agarro tua cabeça
áspera e luminosa, e digo: ouves, meu amor?, eu sou
aquilo que se espera para as coisas, para o tempo –
eu sou a beleza.
Inteira, tua vida o deseja. Para mim se erguem
teus olhos de longe. Tu própria me duras em minha velada
beleza.

Então sento-me à tua mesa. Porque é de ti
que me vem o fogo.
Não há gesto ou verdade onde não dormissem
tua noite e loucura, não há vindima ou água
em que não estivesses pousando o silêncio criador.
Digo: olha, é o mar e a ilha dos mitos
originais.
Tu dás-me a tua mesa, descerras na vastidão da terra
a carne transcendente. E em ti
principiam o mar e o mundo.

Minha memória perde em sua espuma
o sinal e a vinha.
Plantas, bichos, águas cresceram como religião
sobre a vida – e eu nisso demorei
meu frágil instante. Porém
teu silêncio de fogo e leite repõe a força
maternal, e tudo circula entre teu sopro
e teu amor. As coisas nascem de ti
como as luas nascem dos campos fecundos,
os instantes começam da tua oferenda
como as guitarras tiram seu início da música nocturna.

Mais inocente que as árvores, mais vasta
que a pedra e a morte,
a carne cresce em seu espírito cego e abstracto,
tinge a aurora pobre,
insiste de violência a imobilidade aquática.
E os astros quebram-se em luz
sobre as casas, a cidade arrebata-se,
os bichos erguem seus olhos dementes,
arde a madeira – para que tudo cante
pelo teu poder fechado.
Com minha face cheia de teu espanto e beleza,
eu sei quanto és o íntimo pudor
e a água inicial de outros sentidos.

Começa o tempo onde a mulher começa,
é sua carne que do minuto obscuro e morto
se devolve à luz.
Na morte referve o vinho, e a promessa tinge as pálpebras
com uma imagem.
Espero o tempo com a face espantada junto ao teu peito
de sal e de silêncio, concebo para minha serenidade
uma ideia de pedra e de brancura.
És tu que me aceitas em teu sorriso, que ouves,
que te alimentas de desejos puros.
E une-se ao vento o espírito, rarefaz-se a auréola,
a sombra canta baixo.

Começa o tempo onde a boca se desfaz na lua,
onde a beleza que transportas como um peso árduo
se quebra em glória junto ao meu flanco
martirizado e vivo.
– Para consagração da noite erguerei um violino,
beijarei tuas mãos fecundas, e à madrugada
darei minha voz confundida com a tua.
Oh teoria de instintos, dom de inocência,
taça para beber junto à perturbada intimidade
em que me acolhes.

Começa o tempo na insuportável ternura
com que te adivinho, o tempo onde
a vária dor envolve o barro e a estrela, onde
o encanto liga a ave ao trevo. E em sua medida
ingénua e cara, o que pressente o coração
engasta seu contorno de lume ao longe.
Bom será o tempo, bom será o espírito,
boa será nossa carne presa e morosa.
– Começa o tempo onde se une a vida
à nossa vida breve.

Estás profundamente na pedra e a pedra em mim, ó urna
salina, imagem fechada em sua força e pungência.
E o que se perde de ti, como espírito de música estiolado
em torno das violas, a morte que não beijo,
a erva incendiada que se derrama na íntima noite
– o que se perde de ti, minha voz o renova
num estilo de prata viva.

Quando o fruto empolga um instante a eternidade
inteira, eu estou no fruto como sol
e desfeita pedra, e tu és o silêncio, a cerrada
matriz de sumo e vivo gosto.
– E as aves morrem para nós, os luminosos cálices
das nuvens florescem, a resina tinge
a estrela, o aroma distancia o barro vermelho da manhã.
E estás em mim como a flor na ideia
e o livro no espaço triste.

Se te aprendessem minhas mãos, forma do vento
a cevada pura, de ti viriam cheias
minhas mãos sem nada. Se uma vida dormisses
em minha espuma,
que frescura indecisa ficaria no meu sorriso?
– No entanto és tu que te moverás na matéria
da minha boca, e serás uma árvore
dormindo e acordando onde existe o meu sangue.

Beijar teus olhos será morrer pela esperança.
Ver no aro de fogo de uma entrega
tua carne de vinho roçada pelo espírito de Deus
será criar-te para luz dos meus pulsos e instante
do meu perpétuo instante.
– Eu devo rasgar minha face para que a tua face
se encha de um minuto sobrenatural,
devo murmurar cada coisa do mundo
até que sejas o incêndio da minha voz.

As águas que um dia nasceram onde marcaste o peso
jovem da carne aspiram longamente
a nossa vida. As sombras que rodeiam
o êxtase, os bichos que levam ao fim do instinto
seu bárbaro fulgor, o rosto divino
impresso no lodo, a casa morta, a montanha
inspirada, o mar, os centauros
do crepúsculo
– aspiram longamente a nossa vida.

Por isso é que estamos morrendo na boca
um do outro. Por isso é que
nos desfazemos no arco do verão, no pensamento
da brisa, no sorriso, no peixe,
no cubo, no linho,
no mosto aberto
– no amor mais terrível do que a vida.

Beijo o degrau e o espaço. O meu desejo traz
o perfume da tua noite.
Murmuro os teus cabelos e o teu ventre, ó mais nua
e branca das mulheres. Correm em mim o lacre
e a cânfora, descubro tuas mãos, ergue-se tua boca
ao círculo de meu ardente pensamento.
Onde está o mar? Aves bêbedas e puras que voam
sobre o teu sorriso imenso.
Em cada espasmo eu morrerei contigo.

E peço ao vento: traz do espaço a luz inocente
das urzes, um silêncio, uma palavra;
traz da montanha um pássaro de resina, uma lua
vermelha.
Oh amados cavalos com flor de giesta nos olhos novos,
casa de madeira do planalto,
rios imaginados,
espadas, danças, superstições, cânticos, coisas
maravilhosas da noite. Ó meu amor,
em cada espasmo eu morrerei contigo.

De meu recente coração a vida inteira sobe,
o povo renasce,
o tempo ganha a alma. Meu desejo devora
a flor do vinho, envolve tuas ancas com uma espuma
de crepúsculos e crateras.
Ó pensada corola de linho, mulher que a fome
encanta pela noite equilibrada, imponderável –
em cada espasmo eu morrerei contigo.

E à alegria diurna descerro as mãos. Perde-se
entre a nuvem e o arbusto o cheiro acre e puro
da tua entrega. Bichos inclinam-se
para dentro do sono, levantam-se rosas respirando
contra o ar. Tua voz canta
o horto e a água – e eu caminho pelas ruas frias com
o lento desejo do teu corpo.
Beijarei em ti a vida enorme, e em cada espasmo
eu morrerei contigo.

Herberto Helder, in ‘O Amor em Visita’

“Alegrai-vos porque já achei a minha ovelha perdida” (Lc 15:6); “Ovelhas perdidas foram o meu povo, esqueceram-se do lugar do seu repouso” (Jr 50:6).

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 424 outros seguidores

%d bloggers like this: